quinta-feira, 19 de novembro de 2015

"Tratado de Filosofia" e "Vocabulário de Filosofia", de Régis Jolivet



    Régis Jolivet (Lyon, 8 de Novembro de 1891 — Lyon, 4 de Agosto de 1966) foi um sacerdote e filósofo católico, da corrente neotomista, decano da Faculdade de Filosofia da Universidade Católica de Lyon, que publicou uma vasta obra sobre a filosofia de Tomás de Aquino, para além de publicações nas áreas de antropologia, metafísica, ética e lógica. Foi especialista na filosofia tomista e de história da Filosofia.


      Foi ordenado sacerdote católico em 1914; licenciado em letras (1920); doutor em filosofia escolática (1920): doutor em letras (1929); professor de filosofia tomista no Institut Leidrade, nas Facultés catholiques de Lyon (1932), decano da Faculdade de Teologia (1938-1941).



     “Um mundo de contestação e de afã renovador esconde por vozes, na verdade, a auto justificativa de um menor esforço ou de irresponsável espírito de novidade que perde ou não tem a consciência do que é inovado: ocorre a adesão ao que se apresenta como novo, sem que haja a consciência do valor do que se substitui com relação ao que é substituído.”

    “O ‘Tratado de Filosofia’ de Régis Jolivet não se apresenta com as características do "moderno", mas, ao contrário a primeira impressão é de uma obra em moldes tradicionais, especialmente por sua estrutura geral.” (...)

     “Para o estudioso responsável, que sabe como é difícil inovar e ser original em matéria científica e filosófica, e tem consciência de que isto só pode ocorrer como conseqüência de uma formação básica bastante segura, a obra de Régis Jolivet permanece válida e atual. Com prudência, mas com segurança, a exposição feita pelo Autor parte de uma posição tradicional, mas prossegue, nos momentos oportunos, incorporando as contribuições novas.”
(...)
      “A aversão moderna pelas obras sistemáticas não se justifica diante da necessidade de uma ordenação básica das questões que devem ser estudadas dentro de uma visão global de sua colocação na estrutura geral em que se situam. Pois, sem esta visão global, entramos na linha de uma falsa especialização, em que um aparente aprofundamento particular perde a visão das vinculações gerais, conhecimento necessário a uma justa apreciação crítica e não meramente informativa.”

    “A obra de Régis Jolivet se justifica e recomenda sob este aspecto, pois o autor nos apresenta uma informação preciosa aliada sempre a considerações que abrem janelas à exposição, como convém a um trabalho dirigido especialmente aos cursos de nível universitário. E, neste sentido, a obra permanece muito atual e altamente recomendável.”

Eduardo Prado de Mendonça

Nenhum comentário:

Postar um comentário