sexta-feira, 28 de março de 2014

"Stalin´s War", de Ernst Topitsch


Resenha de Dennis Nayland Smith

     Poderia haver alguma dúvida real acerca do principal motor nos eventos tumultuosos de 1933-1945? Da grande maioria dos historiadores profissionais até um joão-ninguém grudado na tela da TV, a resposta seria: "Hitler, é claro." De acordo com este ponto de vista universalmente aceito, Hitler, com o apoio de Mussolini e os senhores da guerra japoneses, habilmente orquestrou os incidentes políticos e militares que levaram à eclosão da Segunda Guerra Mundial.

     Mas mesmo esse truísmo está agora sob ataque por revisionistas. Um proeminente entre aqueles a questionar o papel desempenhado por Hitler é Ernst Topitsch, cujo livro, Stalin´s War, acaba de aparecer em tradução Inglesa nos Estados Unidos, publicado pela respeitosa Editora St. Martin Press.


    Topitsch é um graduado da Universidade de Viena, um membro do Instituto de Filosofia de Paris e professor da Universidade de Graz, na Áustria. Simplificando, sua tese bem fundamentada é de que Stalin, não Hitler, a figura central da guerra. O autor resume a evolução de seu pensamento sobre estas questões no início de seu estudo:

"De acordo com a opinião dominante, por muitos anos eu considerava Hitler como sendo o personagem principal no drama da Segunda Guerra Mundial, e manteve a sua política de expansão violenta e agressão a ser a causa mais importante de sua manifestação. No entanto, uma análise mais minuciosa da interação dos principais eventos, levou-me à convicção de que no mínimo, esse ponto de vista precisava de uma modificação radical. Tornou-se cada vez mais evidente que Stalin não era apenas o real vencedor, mas também a figura-chave na guerra. Ele era na verdade, o único estadista que tinha na época uma idéia clara, de base ampla de seus objetivos."

     Após o fim da Primeira Guerra Mundial, Lênin concluiu que a guerra tinha sido apenas um prelúdio para promover as guerras imperialistas, o que acabaria por levar à vitória final do socialismo em todo o mundo. Em um discurso proferido em 1920, Lênin descreveu como a Alemanha e o Japão poderiam ser usados para provocar uma outra guerra dentro do "campo capitalista."

   Stalin prosseguiu estratégia de Lênin. O Pacto Hitler-Stalin de agosto de1939 - que concedeu a Hitler cobertura do Exército Vermelho na frente oriental - foi destinado a incentivar Hitler para abrir hostilidades. Stalin ficou fascinado com a invasão alemã da França.A "guerra imperialista" finalmente havia estourado a sério; Stalin intensificou as entregas de matérias-primas para a Alemanha. Topitsch observa que, "no Kremlin, a princípio, se esperava que haveria longas e árduas batalhas com uma taxa pesada de atrito - como na Primeira Guerra Mundial - decorrendo de que os dois lados iriam se destruir mutuamente até a exaustão geral trouxe uma situação revolucionária. " No entanto, a vitória surpreendente da Alemanha sobre os Países Baixos e França - em questão de semanas - veio como um choque real.

     Uma nova situação agora se apresentou para Stalin, se o exército alemão foi derrotado, os soviéticos poderiam ser os donos da Europa. Como o autor aponta, dada a falta de acesso aos arquivos do Kremlin "não se pode afirmar exatamente quando a decisão foi tomada para embarcar nesta estratégia."Topitsch está convencido de que Stalin propôs a provocar Hitler para atacar a União Soviética, assim como Franklin Roosevelt manobrou o Japão para "disparar o primeiro tiro."

    Topitsch afirma que, independentemente do que Hitler fez, Stalin estaria se preparando para atacar a Alemanha, provavelmente em 1942. Ele não está sozinho ao sugerir que Stalin estava planejando uma ofensiva militar contra o Ocidente. Grigore Gafencu, por algum tempo ministro de Relações Exteriores da Romênia e embaixador na União Soviética durante a guerra, percebeu que Stalin secretamente havia provocado Alemanha a atacar. Mais recentemente, Brian Fugate, em uma revisão de sua tese de doutorado na Universidade do Texas, publicada como "Operation Barbarossa: Strategy e Tactics on the Western Front, 1941 (Presidio Press, 1984), torna o caso de que a produção de armamentos soviéticos e decisões militares em face da Europa Ocidental são um sinal claro de que os soviéticos tinham a intenção de lançar uma ofensiva contra o ocidente enquanto a "Operação Barbarossa" - como foi nomeado o ataque de Hitler à União Soviética - não pegou Stalin desprevenido. As vitórias militares alemães durante o verão e outono de 1941, foram inesperadas e frustrou os planos ambiciosos de Stalin para um rápido contra-ataque ao ocidente. A guerra se arrastava, e os norte-americanos e britânicos se estabeleceram na Europa Ocidental antes que o Exército Vermelho pudesse alcançar o Canal Inglês. Se as aspirações de Stalin não foram plenamente realizadas, o resultado da guerra não diminui a teoria de Topitsch de que "a Segunda Guerra Mundial foi apenas uma fase - embora importante - na realização da grande estratégia de Lênin para subjugar as nações capitalistas ou ' imperialistas' -, ou seja, todas aquelas que ainda não tinham sido submetidas ao processo de sovietização”

     O livro de Topitsch não está isenta de falhas, principalmente na tradução de A. e B. E. Taylor. Na página 23, encontra-se a estranha formulação "Perante a diminuição notória de fundos do partido durante a guerra ..." em conexão com o retorno de Hitler às doações aos círculos “nacionalistas, conservadores e capitalistas". Claramente por "guerra" a fase final da luta de Hitler para o poder político na Alemanha está destinada, não a Segunda Guerra Mundial, como um leitor desavisado pode razoavelmente concluir. Também se questiona se o autor acredita que o fascismo é "a forma mais extrema de capitalismo" (p.27). O Uso caprichoso dos tradutores em anglicizar os nomes alemães e russos é incômodo também.Para "Moldávia e Wallachia", lemos "Moldau e Wallacheit enquanto os rios Vistula e Narew são tomados ​​como" Weichsel "(alemão) e" Narev "(?).

     As transliterações de nomes russos geralmente extravasam o próprio uso adequado do Alemão e do Inglês a fim de que os leitores encontrem, em vez de "Zhukov" ou "Schukow", se encontrará "Schukov". Há um número irritante de erros, como o "Nersky" para "Nevsky" e "Frisch" para "Fritsch."

     No entanto, Stalin´s War oferece novas e importantes esclarecimentos sobre a nossa compreensão política da Segunda Guerra Mundial. A maioria dos leitores desta publicação dará de encontro a uma provocante leitura.




Extraído do The Journal of Historical Review, Verão de 1988 (Vol. 8, No. 2), páginas 222-224.

2 comentários:

  1. Ótima resenha vou compartilhar em minha page para todos saberem essa versão

    ResponderExcluir
  2. Há muito tempo procuro por esse livro.

    ResponderExcluir