"Stalin´s War", de Ernst Topitsch


Resenha de Dennis Nayland Smith

     Poderia haver alguma dúvida real acerca do principal motor nos eventos tumultuosos de 1933-1945? Da grande maioria dos historiadores profissionais até um joão-ninguém grudado na tela da TV, a resposta seria: "Hitler, é claro." De acordo com este ponto de vista universalmente aceito, Hitler, com o apoio de Mussolini e os senhores da guerra japoneses, habilmente orquestrou os incidentes políticos e militares que levaram à eclosão da Segunda Guerra Mundial.

     Mas mesmo esse truísmo está agora sob ataque por revisionistas. Um proeminente entre aqueles a questionar o papel desempenhado por Hitler é Ernst Topitsch, cujo livro, Stalin´s War, acaba de aparecer em tradução Inglesa nos Estados Unidos, publicado pela respeitosa Editora St. Martin Press.


    Topitsch é um graduado da Universidade de Viena, um membro do Instituto de Filosofia de Paris e professor da Universidade de Graz, na Áustria. Simplificando, sua tese bem fundamentada é de que Stalin, não Hitler, a figura central da guerra. O autor resume a evolução de seu pensamento sobre estas questões no início de seu estudo:

"De acordo com a opinião dominante, por muitos anos eu considerava Hitler como sendo o personagem principal no drama da Segunda Guerra Mundial, e manteve a sua política de expansão violenta e agressão a ser a causa mais importante de sua manifestação. No entanto, uma análise mais minuciosa da interação dos principais eventos, levou-me à convicção de que no mínimo, esse ponto de vista precisava de uma modificação radical. Tornou-se cada vez mais evidente que Stalin não era apenas o real vencedor, mas também a figura-chave na guerra. Ele era na verdade, o único estadista que tinha na época uma idéia clara, de base ampla de seus objetivos."

     Após o fim da Primeira Guerra Mundial, Lênin concluiu que a guerra tinha sido apenas um prelúdio para promover as guerras imperialistas, o que acabaria por levar à vitória final do socialismo em todo o mundo. Em um discurso proferido em 1920, Lênin descreveu como a Alemanha e o Japão poderiam ser usados para provocar uma outra guerra dentro do "campo capitalista."

   Stalin prosseguiu estratégia de Lênin. O Pacto Hitler-Stalin de agosto de1939 - que concedeu a Hitler cobertura do Exército Vermelho na frente oriental - foi destinado a incentivar Hitler para abrir hostilidades. Stalin ficou fascinado com a invasão alemã da França.A "guerra imperialista" finalmente havia estourado a sério; Stalin intensificou as entregas de matérias-primas para a Alemanha. Topitsch observa que, "no Kremlin, a princípio, se esperava que haveria longas e árduas batalhas com uma taxa pesada de atrito - como na Primeira Guerra Mundial - decorrendo de que os dois lados iriam se destruir mutuamente até a exaustão geral trouxe uma situação revolucionária. " No entanto, a vitória surpreendente da Alemanha sobre os Países Baixos e França - em questão de semanas - veio como um choque real.

     Uma nova situação agora se apresentou para Stalin, se o exército alemão foi derrotado, os soviéticos poderiam ser os donos da Europa. Como o autor aponta, dada a falta de acesso aos arquivos do Kremlin "não se pode afirmar exatamente quando a decisão foi tomada para embarcar nesta estratégia."Topitsch está convencido de que Stalin propôs a provocar Hitler para atacar a União Soviética, assim como Franklin Roosevelt manobrou o Japão para "disparar o primeiro tiro."

    Topitsch afirma que, independentemente do que Hitler fez, Stalin estaria se preparando para atacar a Alemanha, provavelmente em 1942. Ele não está sozinho ao sugerir que Stalin estava planejando uma ofensiva militar contra o Ocidente. Grigore Gafencu, por algum tempo ministro de Relações Exteriores da Romênia e embaixador na União Soviética durante a guerra, percebeu que Stalin secretamente havia provocado Alemanha a atacar. Mais recentemente, Brian Fugate, em uma revisão de sua tese de doutorado na Universidade do Texas, publicada como "Operation Barbarossa: Strategy e Tactics on the Western Front, 1941 (Presidio Press, 1984), torna o caso de que a produção de armamentos soviéticos e decisões militares em face da Europa Ocidental são um sinal claro de que os soviéticos tinham a intenção de lançar uma ofensiva contra o ocidente enquanto a "Operação Barbarossa" - como foi nomeado o ataque de Hitler à União Soviética - não pegou Stalin desprevenido. As vitórias militares alemães durante o verão e outono de 1941, foram inesperadas e frustrou os planos ambiciosos de Stalin para um rápido contra-ataque ao ocidente. A guerra se arrastava, e os norte-americanos e britânicos se estabeleceram na Europa Ocidental antes que o Exército Vermelho pudesse alcançar o Canal Inglês. Se as aspirações de Stalin não foram plenamente realizadas, o resultado da guerra não diminui a teoria de Topitsch de que "a Segunda Guerra Mundial foi apenas uma fase - embora importante - na realização da grande estratégia de Lênin para subjugar as nações capitalistas ou ' imperialistas' -, ou seja, todas aquelas que ainda não tinham sido submetidas ao processo de sovietização”

     O livro de Topitsch não está isenta de falhas, principalmente na tradução de A. e B. E. Taylor. Na página 23, encontra-se a estranha formulação "Perante a diminuição notória de fundos do partido durante a guerra ..." em conexão com o retorno de Hitler às doações aos círculos “nacionalistas, conservadores e capitalistas". Claramente por "guerra" a fase final da luta de Hitler para o poder político na Alemanha está destinada, não a Segunda Guerra Mundial, como um leitor desavisado pode razoavelmente concluir. Também se questiona se o autor acredita que o fascismo é "a forma mais extrema de capitalismo" (p.27). O Uso caprichoso dos tradutores em anglicizar os nomes alemães e russos é incômodo também.Para "Moldávia e Wallachia", lemos "Moldau e Wallacheit enquanto os rios Vistula e Narew são tomados ​​como" Weichsel "(alemão) e" Narev "(?).

     As transliterações de nomes russos geralmente extravasam o próprio uso adequado do Alemão e do Inglês a fim de que os leitores encontrem, em vez de "Zhukov" ou "Schukow", se encontrará "Schukov". Há um número irritante de erros, como o "Nersky" para "Nevsky" e "Frisch" para "Fritsch."

     No entanto, Stalin´s War oferece novas e importantes esclarecimentos sobre a nossa compreensão política da Segunda Guerra Mundial. A maioria dos leitores desta publicação dará de encontro a uma provocante leitura.




Extraído do The Journal of Historical Review, Verão de 1988 (Vol. 8, No. 2), páginas 222-224.

Comentários

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Como pode um país cuja producao de armamento nao passava dos 14.5 % na década de 30, pensar em iniciat uma guerra contra a Alemanha nazi? O pais que produzia 45% do armamento mundial eram os EUA. O sociólogo Fursov explica que caso Staline tivesse atacado a Alemanha todos se uniram contra Urss. Isto de rever a História e transformar as derrotas em quase vitórias é deja vi.
    Vale assinalar que quando foi assinado o pacto Ribbentrop-Molotov outros anteriormente já tinham feito pacto semelhantes( França, Inglaterra, e mesmo a Polônia em 1934). A Polônia invadiu a Checoslováquia no dia seguinte a entrada da Wehrmacht em Praga. É pura coincidência que sempre quando se aproxima o mês de Maio os revisionistas redobram atividade para enganar os incautos? Sabem os senhores que Adolf Hitler foi o primeiro fundador da União Europeia? Vejam com atenção de onde iam os soldados que estavam na frente oriental. Os revisionistas são tão bons que muitos já acreditam que foram a Inglaterra e os USA que entraram em Berlim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas